Archive for the ‘Eterno Aprendiz’ Category

Nova era

Sabe aquela vontade repentina de escrever? Recomendar um livro, comentar um filme, compartilhar uma música, expor uma conclusão. Sem nicho, sem limites, sem objetivos, apenas, exercitar o pensamento e a arte de redigir.

Transitório, como a personalidade, os interesses e as metas.

O Eterno Aprendiz há muito não suporta meus ideias, há muito existe.
Agradeço a quem leu, gostou, criticou, comentou, recomendou.
A mim, tornou-se registro dos pensamentos adolescentes, os quais guardarei para sempre.

Sem mais,
Adeus.

Anúncios

Novidades

Como é bom voltar a escrever! O Eterno Aprendiz atravessou um longo período de abandono, como todos podem notar.
Me envolvi com algumas atividades extras e acabei por não gerenciar muito bem o tempo. Estudos, cursos, academia, livros… Sacrifiquei as horas ao PC e me tornei um desatualizado. E um desatualizado não tem nada de interessante para compartilhar.
Pois bem, as férias chegaram. Aproveitei o tempo livre para correr atrás dos projetos pessoais.
E um deles, que estava no papel há muito tempo, agora está prestes a se concretizar. Trata-se de um novo blog, enfocado somente em música, a maior das minhas paixões. Junto a alguns amigos, terei o prazer de registrar minhas opiniões sobre o assunto, recomendar novos artistas e aceitar recomendações dos leitores.
Será mais uma boa experiência que terei com projetos para a Web, dessa vez, trabalhando em equipe com pessoas que conheço há anos e sei que possuem muito conhecimento a compartilhar.
Assim que as novidades forem chegando, não deixarei de avisá-los.
E, como todo eterno aprendiz, estou sempre buscando melhorar: aproveitarei o ímpeto de um novo blog para dar uma nova força para o antigo. Prometo, perante a todos vocês, postar aqui com mais assiduidade.
Um grande abraço a todos os leitores e assinantes, principalmente.

Produtos, best-sellers e respectivas nomenclaturas

Recomendado várias vezes por por grandes amigos, semana passada li o Monge e o Executivo. É um best-seller de auto-ajuda que tem como enfoque a personalidade comportamental de um líder. Como todo livro popularmente lido, a linguagem é simples, clara e pobre, já esperava por isso. Os conceitos são interessantes. Discutíveis, mas interessantes. Concordo que seja útil sua leitura por quem gerencia alguma empresa ou ao menos tenha personalidade de liderança.
Mas, algo me chamou muito a atenção. O título:

O Monge e o Executivo

. Ainda acompanhado pela frase

“Uma história sobre a essência da liderança”

. Interessante, não? O que você espera de um livro desses? Uma história interessante sobre um monge e seus ensinamentos a um executivo; experiências intensas, atos notáveis, lições de moral; exemplos de atitudes simples que revolucionariam sua produtividade empresarial ou até social. Isso foi o que eu pensei que encontraria.
Infelizmente, me deparei com uma história vazia. Um enredo criado apenas para exprimir os fundamentos através de uma narrativa. Facilmente, tudo o que é dito pelos personagens poderia ser apresentado através de um texto reflexivo, informativo, referencial. A diferença é que não haveria interação. Muito menos atenção é necessária para ler uma narrativa simples que reflexões, solilóquios e discussões teóricas. E o livro foi escrito apenas para vender, não para marcar época.
Apesar de ser decepcionante (“Quem mexeu no meu queijo?” o supera), faz parte de um seleto grupo dos produtos que, considero, vendem pela boa escolha do nome. Um clássico exemplo que posso dar é o refrigerante H2OH. Para quem não o conhece, é produzido pela Pepsi e há pouco tempo se tornou um vício brasileiro. Trata-se de nada mais que uma soda qualquer feita sem a adição de açúcar e de baixo teor calórico. Tem a polêmica fenilalanina em sua composição, tal como algumas vitaminas. Só.
Apenas um refrigerante disfarçado em um nome que sugere algo saudável. E não é tão saboroso assim para conquistar tantos clientes. É a prova do poder sugestivo. Aposto que muitos desatentos, que são os melhores clientes, pensariam: “Em vez de tomar um refrigerante, que sei, não faz bem à saúde, vou tomar algo mais saudável. Garçom, uma H2OH pra mim”. A condição atual da sociedade é tão preocupante que tomamos refrigerante quando optamos pelo bem da saúde.
Além de funcionar com o livro, essa minha teoria dos nomes é válida para muitos outros produtos, que terei prazer em citar, assim que encontrá-los em maior número.
Uma lição, porém, foi aprendida: best-sellers não valem nada e não compensam o tempo gasto!

Como é difícil manter um Blog ativo!

Nunca pensei que o sucesso viria sem esforços, é claro. O segredo, para tudo, é sempre 10% de inspiração e 90% de transpiração. Aprendi essa lição desde cedo através de meu pai e pretendo levá-la comigo para o resto da vida.
Porém, foi justamente este o problema que enfrentei, nos últimos 30 dias: não tive tempo para transpirar. O pouco que produzi (cerca de três rascunhos) se resume a alguns parágrafos inspirados que não tiveram a oportunidade de serem melhor aproveitados.
Os motivos da falta de tempo são comuns a muitas pessoas: estudos, trabalho e problemas familiares.
Mas, essa experiência de abandono que o Blog sofreu me permitiu chegar a uma conclusão: não posso continuar o projeto sozinho! Adoraria poder, mas, já tenho responsabilidades e deveres suficientes.
Alguns antigos aliados já foram cotados para a vaga de redator. Posso adiantá-los que novidades estão por vir.
E enquanto não posso revelar meus planos, me limito a desculpar-me pelo tempo ausente e a agradecer àqueles que, por algum momento, pensaram o que teria acontecido comigo.
Um grande abraço do Gob.